Mude o foco

Insistir sempre fez parte de mim. Acreditar… por dois, na maioria das vezes. Amores, amizades, pessoas no geral. “É assim mesmo, são fases, uma hora tudo se encaixa, em algum momento vai dar”, sempre pensei. Mas a verdade é que, na maioria das vezes, já deu o que tinha que dar. Já acrescentou o que tinha que acrescentar.

Já insisti em gente que nunca deu um passo por mim. Quis pessoas que nunca tiveram nada a ver comigo – aliás, aparentemente é o que eu mais gosto de fazer. Me frustrei quando não consegui fazer a diferença, me decepcionei por perceber que não era recíproco e aprendi, da forma mais difícil, que ninguém é para sempre. Mas sempre tem um motivo.

Ninguém passa na nossa vida só para virar tudo de ponta cabeça sem propósito algum. Vai ver é ajeitando sua casa, seu quarto, seu ser, que vai se encontrar. Ou encontrar alguém no mesmo caos para te apoiar. E, talvez, essa pessoa também só esteja ali para aquilo. Depois vai embora.

É assim que funciona, nós realmente vivemos fases. Algumas mais longas que outras – divididas em temporadas ou então só como uma participação especial. Nós precisamos aceitar a hora de sair de cena, ou deixar o contracena abandonar o palco.

Pode ser que nada faça sentido – não no momento. Pode ser que alguém chegue, faça seu papel e saia te deixando com uma interrogação na testa. Estamos aqui para isso. Não para ter todas as respostas, mas para buscar nossa própria verdade, nosso verdadeiro ser, o motivo de estar aqui e passar pelo que se passa.

A sua melhor amiga de infância pode ser a sua melhor amiga para sempre, mas isso não significa que será sempre da mesma forma. Em alguns momentos poderão estar mais distantes, em outros coladas. Em algum momento terão que encarar a vida adulta. Os caminhos podem se desencontrar, os ciclos sociais podem mudar. Então, você vai ter a sua amiga mais próxima do trabalho, a mais em comum na faculdade. Isso não significa que ela ficou para trás. Ou, talvez, fique. Mas isso não significa que ela não foi sua amiga de verdade. Ela foi.

O amor da sua vida pode não ser a pessoa com quem você irá compartilhar o resto da sua existência. Nós estamos em constante mudança. Nossas ideias mudam o tempo todo, o nosso propósito aqui, as expectativas de vida podem não combinar mais. Não quer dizer que não foi amor. Foi sim. Foi muito. Foi enquanto tinha que ser.

O que a gente precisa mesmo é parar de problematizar tanto, fazer de uma gota um oceano. Tão melhor conseguir encarar essas mudanças de forma mais leve.  Nada é tão definitivo. Tudo é momento e, dependendo de como encaramos, podemos ter boas surpresas.

Acima de qualquer coisa, estamos aqui para viver. E ninguém consegue dar um passo sequer com uma bola de ferro presa nos pés. Às vezes, só o que a gente precisa é deixar a teimosia de lado e mudar o foco.

Como já diria Caio F. Abreu (segundo minhas pesquisas, foi ele quem disse): Deixe para trás o que não te leva para frente.

Liberte-se.

Nayara Rosolen

Anúncios

Um comentário sobre “Mude o foco

  1. Pingback: Meu primeiro ano no 7S – 7Seasonsblog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s